Aposentadoria de Servidor Público

Instagram
As regras para a Aposentadoria de Servidor Público são diferenciadas em seus requisitos e direitos. Uma das questões mais populares é a de que o servidor público tem direito a se aposentar com valor integral do salário. Entretanto, outras características existem para o benefício, que varia conforme o tipo de servidor que está solicitando a aposentadoria. Vamos ver os direitos e requisitos de cada um nesta publicação.

Homem e mulher sentados em mesa de trabalho, representando a apsoentadoria de servidor público

Aposentadoria de Servidor Público Concursado Estatutário

A Aposentadoria de Servidor Público Concursado Estatutário dá direito à integralidade. Isto é, ao invés do benefício ter os redutores convencionais do INSS aplicados (média, teto e fator previdenciário), o servidor terá direito de receber o valor integral do último salário em atividade.

Também cabe ao Servidor Público Estatutário, desde que se comprove contato com agentes nocivos à saúde, a Aposentadoria Especial. Quem garante tal direito é a Súmula Vinculante 33 e o parágrafo único do Artigo 201 da Constituição Federal.

Além disso, também existe o direito à paridade. Na paridade, o reajuste anual do benefício do aposentado não é feito com base na inflação (INPC), e sim no salário de quem ainda está em atividade. Por exemplo: se você se aposentar com salário integral de R$ 3.000 e o reajuste dos servidores que continuam em atividade fixar o novo valor em R$ 3.125, seu benefício de aposentado deve ser reajustado também para R$ 3.125. Isto é a paridade.

Para conquistar a integralidade e a paridade não basta apenas ser servidor público concursado estatutário. Existem alguns requisitos básicos que variam conforme cada RPPS – Regime Próprio de Previdência Social. Os RPPS são fundos criados pelos órgãos empregadores com a finalidade exclusiva de garantir os direitos da aposentadoria de servidor público.

Se você é funcionário estatutário do Estado, está filiado a um Regime Próprio, pois todos os 27 estados brasileiros (incluindo o Distrito Federal) possuem RPPS. Entretanto, dos 5 mil municípios que existem no Brasil, mais da metade (principalmente os do interior) não possuem. A Constituição Federal permite que todos criem um, mas a decisão cabe ao município. Caso você seja funcionário municipal sem RPPS, existem alguns obstáculos a serem enfrentados, conforme iremos esclarecer a seguir.

Aposentadoria de Servidor Público Municipal Concursado sem RPPS

O RPPS é um órgão executivo exclusivo para atender aos direitos previdenciários de funcionários públicos. Se você é funcionário público filiado a um Regime Próprio, sua integralidade e paridade serão concedidas em processos administrativos. Ou seja, sem necessidade de ingressar em ação judicial.

Se você é funcionário público concursado municipal de uma cidade sem regime próprio, você será filiado ao INSS e seu pedido de integralidade e paridade poderá ser negado em processo administrativo. Assim, o benefício concedido pelo INSS sofrerá as reduções (média, teto e fator previdenciário). Caso isso aconteça, o que fazer?

Sempre que um pedido é negado em via administrativa, existe a possibilidade de reverter a situação através de ação judicial. Se sua integralidade for negada, você deve ingressar com um pedido de Complementação de Aposentadoria.

A Complementação de Aposentadoria é a diferença que deverá ser paga entre o valor integral do salário e o valor calculado pelo INSS. Por exemplo: Se você recebia salário de R$ 3.000 quando se aposentou e o INSS calculou seu benefício em R$ 2.300, o valor da complementação será R$ 700, para manter seu benefício no valor integral que recebeu no seu último salário.

Banner para clicar e baixar o Ebook Aposentadoria de Servidor Público Concursado e Filiado ao INSS

Para ter direito à complementação, existem algumas exigências que variam conforme o caso de cada servidor, como explicaremos a partir de agora.

Para aqueles que completaram o tempo para aposentadoria até o dia 16 de dezembro de 1998

Conforme a Emenda Constitucional 20/1998 do Artigo 40 da Constituição, terão direito homens que cumpriram 35 anos de atividade e mulheres que cumpriram 30 anos de atividade. Tanto para homens quanto para mulheres, não é exigida idade mínima.

Art. 40 anterior a EC 20/98

Homem

Mulher

Qualquer idade

Qualquer idade

30 anos de serviço

30 anos de serviço

Para aqueles que ingressaram no serviço público até 31 de dezembro de 2003

A estes, a Emenda Constitucional 41/2003 do Artigo 40 da Constituição estabelece as seguintes regras:
Homens: 60 anos de idade, 35 anos de contribuição, 20 anos de serviço público, 10 anos de carreira e 5 anos no cargo.
Mulheres: 55 anos de idade, 30 anos de contribuição, 20 anos de serviço público, 10 anos de carreira e 5 anos no cargo.

Direito: Benefício igual à última remuneração – Reajuste pela Paridade
Art. 6º da Emenda Constitucional 41/2003 – ingresso até 31/12/2003 no serviço público  – em anos:

Homem

Mulher

60 anos de idade

55 anos de idade

35 anos de contribuição

30 anos de contribuição

20 anos de serviço público

20 anos de serviço público

10 anos de carreira

10 anos de carreira

 

Para aqueles que ingressaram no serviço público até 16 de dezembro de 1998

Aqueles que ingressaram no serviço público até 1998 possuem uma vantagem garantida pela Emenda Constitucional 47/2005, onde é permitido reduzir 1 ano da idade para cada ano de contribuição que supere o mínimo exigido (35 para homens e 30 para mulheres).

Art. 3º da Emenda Constitucional 47/2005

Homem

Mulher

60 anos de idade

55 anos de idade

35 anos de contribuição

30 anos de contribuição

Redução de 1 ano de idade para cada 1 ano de contribuição que supere 35

Redução de 1 ano de idade para cada 1 ano de contribuição que supere 35
25 anos de serviço público

25 anos de serviço público

15 anos de carreira

15 anos de carreira

5 anos no cargo atual

5 anos no cargo atual

 

E se eu não cumpri os requisitos? O que Acontece?

A primeira opção é esperar completar. Para isso, basta continuar trabalhando normalmente.

A segunda opção é solicitar a aposentadoria sem parar de trabalhar. Esta possibilidade existe porque você estará se desligando do INSS, e não do órgão empregador.

E a terceira opção é se aposentar normalmente, abrindo mão do direito à paridade e à integralidade. Dessa forma, seu salário será calculado através da média dos 80% maiores salários recebidos desde julho de 1994 e o reajuste anual do seu benefício será feito com base na inflação (INPC).

Exoneração e Restituição após a Aposentadoria de Servidor Público Concursado Estatutário

É muito comum que, após conquistarem a aposentadoria, Servidores Públicos sejam afastados do cargo. Se você não possuir integralidade e tiver se aposentado pelo INSS, esta medida é ilegal, pois continuar em atividade é um direito do servidor. A exoneração só é legal se a aposentadoria for concedida com valor integral do salário.

Muitos órgãos sem RPPS exoneram o servidor público municipal com base no parágrafo 10 do artigo 37 da Constituição, que diz: É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142 com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. Porém, o trecho declara com clareza que se trata de aposentadorias decorrentes do art. 40, 42, e 142 (servidores, militares e magistrados). Ou seja, não é possível continuar trabalhando após se aposentar caso você possua benefício com valor integral do salário. Já a aposentadoria pelo INSS é regulada pelo artigo 201 da Constituição.

Se você foi exonerado e não recebe seu benefício integralmente, poderá pedir na justiça a restituição ao cargo. Já publicamos uma decisão favorável ao servidor neste tipo de ação, inclusive recebendo salários retroativos referentes ao período que deveria estar em atividade após a exoneração, com juros e correção monetária.

Aposentadoria de Professores Concursados

A Aposentadoria de Servidor Público Concursado do magistério (exceto para bibliotecários e secretários) possui os mesmos requisitos e direitos dos demais servidores concursados. A diferença é que, atuando como professor, a idade mínima exigida e o tempo de contribuição são diferentes. O professor poderá se aposentar 5 anos mais jovem, pois a exigência é de 55 anos de idade para homens e 50 para mulheres, e com menos tempo de contribuição, 30 anos para homens e 25 para mulheres.

PROFESSOR

PROFESSORA

Entrou no serviço público até 12/2003

Entrou no serviço público até 12/2003

30 anos de contribuição

25 anos de contribuição

55 anos de idade

50 anos de idade

20 anos no serviço público

20 anos no serviço público

10 anos de carreira

10 anos de carreira

5 anos no cargo

5 anos no cargo

Entrou no serviço público até 12/1998

Entrou no serviço público até 12/1998
35 anos de contribuição

30 anos de contribuição

60 anos de idade

55 anos de idade

25 anos no serviço público

25 anos no serviço público

15 anos de carreira

15 anos de carreira

5 anos no cargo

5  anos no cargo

Redução de 1 ano de idade para cada ano de contribuição que supere 35

Redução de 1 ano de idade para cada ano de contribuição que supere 35

Completou o tempo em 12/1998

Completou o tempo em 12/1998

30 anos de contribuição

25 anos de contribuição

 

Triangulo com exclamação dentro, sinalizando algo importante.IMPORTANTE: Caso você tenha se aposentado, quer continuar no cargo e, portanto, ainda não recebeu sua complementação, não resgate FGTS ou PIS! Resgatando estes fundos, a Previdência entenderá que você já está aposentado e concederá apenas o benefício estabelecido pelo INSS, sem complementação. Assim, para reverter a situação, a ação se torna muito mais complexa e poderá atrasar a concessão dos benefícios em mais de 2 anos. Aguarde até a complementação estar garantida (e recebida) e, apenas após isso, resgate os fundos que tiver direito.

Quem deve pagar a Complementação da Aposentadoria de Servidor Público?

O município tem a opção de criar um RPPS para garantir os direitos dos seus servidores. Caso fique inerte a esta opção e não crie um, é responsabilidade dele pagar a complementação. Portanto, é um pagamento que deve ser feito pelo município.

O que devo fazer para receber a Complementação da Aposentadoria?

O processo pode ser um tanto quanto trabalhoso. Muitos municípios evitam pagar o direito e a questão ainda não chegou ao Supremo Tribunal, o que faz com que alguns tribunais tenham interpretações diferentes a cerca do tema. Porém, cumprindo os requisitos que descrevemos, o servidor tem o direito. Tendo direito, a maneira correta a se proceder é a seguinte:

1. Em primeiro lugar, faça a solicitação administrativa de sua aposentadoria. Lembre-se que só é possível entrar com um processo judicial após o pedido ser negado administrativamente. Então um requerimento por escrito deve ser protocolado e enviado à Secretaria de Administração Municipal e o seu pedido de aposentadoria deve ser agendado no INSS. Faça a solicitação como se estivesse pronto para se aposentar. Quando a carta de concessão do INSS chegar, você não deve receber a aposentadoria nem sacar o PIS ou FGTS até que a Complementação seja concedida.

Depois que a carta de concessão chegar, a protocole no município. Recomendamos ainda que, junto com a carta de concessão, seja protocolada também uma decisão do Tribunal de Contas de Santa Catarina que irá auxiliar na obtenção dos seus direitos. Você pode baixar esta decisão clicando aqui. Se após isso o município negar a complementação, o caminho é a ação judicial.

2. Antes de ingressar com a ação judicial, tenha um parecer jurídico de alguém que domine a área previdenciária. Conforme já citamos, a questão da complementação é recente e ainda não chegou ao Supremo Tribunal Federal. É comum que muitos advogados não tenham conhecimento sobre o assunto. Por isso, alertamos para a importância de encontrar um advogado especializado em direito previdenciário, pois ele estará ciente de toda a legislação específica que garante os seus direitos. Caso ele diga que não sabe, mostre esta publicação para ele ou, se preferir, entre em contato conosco clicando aqui.

3. A ação judicial será movida no fórum de sua cidade, mesmo quando o advogado é contratado pela internet. Portanto, você terá facilidade de comparecer em uma audiência caso haja alguma (o que é raro nos casos de complementação). A partir disto, as etapas são simples, uma vez que todas as provas são documentais e quase nunca testemunhas são necessárias.

Banner para clicar e fazer download do Ebook Entendendo a Complementação de Aposentadoria

Aposentadoria de Servidor Público Contratado

O Servidor Público Celetista é aquele que não prestou concurso público para exercer sua atividade (como professores, médicos e outros profissionais contratados em caráter emergencial), ou que o prestou em empresa de economia mista ou privada (Banco do Brasil, Petrobrás, Eletrobrás, etc.). Diferente do estatutário, ele não terá direito à integralidade. Entretanto, existem alguns parâmetros semelhantes ao concursado estatutário e, até mesmo, um que é especificamente vantajoso: o FGTS.

O FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) é um depósito mensal de 8% do salário do trabalhador feito pelo órgão empregador na Caixa Econômica Federal, com o objetivo de amparar o profissional financeiramente em caso de exoneração, demissão ou qualquer outra circunstância que interrompa o contrato de trabalho. O servidor contratado contará com o depósito desse fundo ao longo de sua atividade pública. Já o concursado estatutário até terá direito ao FGTS, mas de atividades anteriores (ou posteriores) ao serviço público, pois durante o período de atividade como concursado não haverá nenhum tipo de investimento neste fundo por conta do órgão empregador.

Exoneração e Reintegração após Aposentadoria de Servidor Público Contratado

Se você já ouviu o argumento de que o servidor contratado precisa ser exonerado para se aposentar, saiba que isto não é verdade. O servidor celetista tem direito legal de continuar trabalhando, pois tanto a aposentadoria quanto o livre exercício da profissão são direitos constitucionais. Isto inclui casos de Aposentadorias Especiais.

Caso você tenha sido exonerado para que a aposentadoria fosse concedida, poderá entrar na justiça solicitando a reintegração ao cargo, com direito a receber retroativamente todos os salários referentes ao período que esteve afastado. Você pode ler mais sobre o assunto no artigo que publicamos em nosso blog clicando aqui.

Aposentadoria de Servidor Público Proporcional por Invalidez

Para aquele servidor que comprove incapacidade permanente para exercer o cargo ou função. O salário será reduzido proporcionalmente ao tempo de contribuição. Nesses casos, cabe a contagem do tempo de contribuição para o RGPS, que deve ser certificado pelo INSS e averbado no órgão do servidor.

É possível computar tempo rural ou como pescador, inclusive com documentos dos pais, neste tempo, fazendo a comprovação no INSS e fazendo o pagamento de uma indenização para o RGPS. Mas cuidado, o INSS faz um cálculo ilegal, sem respeito à lei e a decisão do STJ, que definiu pela ilegalidade de cobrança de Juros moratórios e Multa em períodos anteriores a 11/1996. Essa cobrança ilegal é afastada na justiça com facilidade, e reduz em até 70% o valor cobrado pelo INSS.

Se o servidor já está aposentado, pode pleitear a revisão do benefício após a comprovação e certificação pelo INSS. Além da aposentadoria integral, esses casos têm direito a isenção do Imposto de Renda.

Aposentadoria de Servidor Público por Invalidez Integral por Doença Grave, Doença Ocupacional ou Acidente de Trabalho

Comprovada a doença profissional ou ocupacional, inclusive após o servidor ter se aposentado proporcionalmente por invalidez, terá direito a Aposentadoria Integral.

Doenças Ocupacionais podem ser desde doenças por esforço repetitivo, doenças da coluna vertebral e outras degenerativas, e também doenças psiquiátricas.

Doenças graves são: câncer maligno, AIDS, Sequelas de AVC, Doenças graves do Coração, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, cegueira, hanseníase, paralisia dos braços ou pernas, doença de Parkinson e Alzheimer, espondiloartrose anquilosante, hepatopatia grave (Hepatite), estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante), contaminação por radiação, com base em conclusão da medicina especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma, diz o texto cuja redação foi dada pela lei nº. 11.052 de 2004.

Acidentes de trabalho, mesmo que no trajeto de casa para o trabalho, ou causados por terceiros ou colegas no horário de trabalho.

Caso a aposentadoria por invalidez tenha sido concedida de forma proporcional é possível fazer uma ação de transformação de aposentadoria por invalidez proporcional em aposentadoria por invalidez integral, efetuando a prova de possuir a doença grave ou a ocorrência de acidente de trabalho ao qual a administração não tenha reconhecido. Assim, o servidor passa a receber o salário integral. Além disso, é uma condição ainda mais favorável pois, reconhecida essa condição, o servidor inativo fica isento de imposto de renda.

Aposentadoria de Servidor Público Compulsória

O Servidor será obrigado a se aposentar aos 70 anos de idade, proporcional ao tempo de serviço. Entretanto, o Judiciário já concedeu o direito à continuidade no exercício até o servidor completar o tempo para aposentadoria integral.

Para maiores informações, esclarecimento de dúvidas ou consulta para entrada de pedido de Aposentadoria de Servidor Público, clique aqui e envie seus dados. O retorno é feito via e-mail.

 

Tire suas dúvidas previdenciárias sobre a Aposentadoria do Servidor

Banner das nossas regras de uso de conteúdo. Clique nele e saiba como ter permissão para utilizar nosso texto em seu site ou blog.