A contratação de refugiados por empresas brasileiras

contratação de refugiados, A contratação de refugiados por empresas brasileiras, Koetz Advocacia, Koetz Advocacia

A contratação de refugiados por empresas brasileiras ainda gera muitas dúvidas, mesmo que com um cenário no qual cada vez mais há a inserção de refugiados no mercado de trabalho brasileiro.

Refugiados no Brasil

Segundo o relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), o número de refugiados cresceu de maneira exponencial nos últimos anos. Até o final de 2018 mais de 70,8 milhões de pessoas se deslocaram de países devido a perseguições, conflitos ou guerras. Destes, uma pequena porcentagem (0,013%) escolheu o Brasil para sua nova casa.

Apesar de ser um número pequeno, ainda assim, são milhares de novas pessoas adentrando o território brasileiro. E, de fato, essas pessoas precisam se inserir na sociedade e no mercado de trabalho brasileiro. O Brasil apresenta diversas oportunidades e um território imenso, porém ainda existem muitas dúvidas sobre como realizar a contratação de refugiados, se é um processo burocrático e se vale a pena realizar tal contratação.

A contratação de refugiados e o Brasil no Pacto Mundial para Migração

Em 2018 foi assinado o Pacto Mundial para Migração no Marrocos com intuito de viabilizar a inserção dos refugiados nos mercados de trabalho locais. Ao todo, 164 países assinaram o pacto se comprometendo a cooperar com estes imigrantes em seus países .

No primeiro momento o Brasil assinou o pacto, durante o governo Temer. Porém, após o presidente Bolsonaro assumir, o governo saiu do mesmo. Este pacto necessita de uma cooperação entre governo e empresas privadas para melhorar a situação.

Entretanto, o Brasil possui diversos programas para auxiliar a intermediação dos refugiados no mercado de trabalho. Um dos programas se chama Programa de Apoio para a Recolocação dos Refugiados (PARR), bem como outros que facilitam esta comunicação. Além disso, o Brasil garante ao refugiado todos os direitos humanos e trabalhistas, sendo possível o refugiado obter a carteira de trabalho e previdência social, o que permite que ele trabalhe legalmente no país.

Contratação de refugiados: anseios e plataformas de contratação.

Pelas diferenças culturais, sempre há dúvidas sobre a escolaridade dos refugiados, se o mesmo conhece o idioma ou se irá se adaptar a cultura brasileira de trabalho. Porém, existem dados levantados pelo PARR que demonstram que mais de 50% dos refugiados terminaram o ensino médio e 25,1% frequentaram uma universidade. Essa pesquisa foi realizada com uma amostra de 2.000 pessoas.

Existem plataformas específicas para contratar refugiados, tal como:

  • PARR;
  • Empresas com refugiados;
  • Estou Refugiado;
  • Refúgio Brasil;
  • ACNUR.

entre outros.

Como realizar a contratação de refugiados no Brasil?

O refugiado que quer trabalhar em uma empresa brasileira deve providenciar o seu Registro Nacional de Estrangeiro (RNE), que é equivalente ao Registro Geral dos cidadãos brasileiros. O RNE é concedido apenas para aqueles que foram aceitos e reconhecidos como refugiados. Importante entender que nem todas as solicitações são aceitas pelo governo, por exemplo, no ano de 2017 o governo recebeu mais de 33 mil solicitações, contudo, apenas em torno de 10 mil foram reconhecidas.

Após o RNE, o refugiado precisa emitir uma Cédula de Identidade do Estrangeiro – CIE, CPF, CTPS e algum documento de viagem. Com estes documentos em mãos, o refugiado pode iniciar o processo de contratação em qualquer empresa brasileira. O indivíduo passará pelos mesmos processos que um cidadão brasileiro, em que diplomas ou certificados podem ser solicitados para garantir a veracidade das informações, como escolaridade ou nível de idioma.

Não há excesso de burocracia, nem diferença para contratar um refugiado ou um indivíduo normal no Brasil – apesar de muitos pensarem que tem. O que acontece é que muitas vezes o refugiado chega ao Brasil e não solicita as devidas documentações e acaba ficando na informalidade – muitas vezes empreendendo no Brasil, mas sem a documentação necessária para se legalizar.

Quais as vantagens e desvantagens de contratar um refugiado?

Contratar um refugiado gera valor positivo para a empresa, pois é uma atitude inclusiva que evidencia boas práticas e responsabilidade social. Além disso, como eles buscam uma nova vida em um novo lugar, costuma demonstrar um alto grau de motivação e esforço dentro das empresas para demonstrar sua capacidade.

Muitos desses imigrantes possuem formação especializada, pós-graduação e falam outros idiomas. Muitos são profissionais especializados. Além da diversidade cultural, o que enriquece o ambiente de trabalho e promove mais engajamento entre os colaboradores da empresa.

Com a abertura econômica que o Brasil começa a perceber, um estrangeiro pode trazer oportunidades de negócios com seu país de origem e outros países de mesma língua que anteriormente as empresas brasileiras não tinham acesso em decorrência da barreira do idioma.

Normalmente a desvantagem está mais associada ao preconceito das pessoas que temem que os estrangeiros “tirem” as suas vagas de emprego ou que não são preparados profissionalmente por viverem em países subdesenvolvidos, o que não é verdade. Outro ponto conflitante é o desconhecimento das pessoas por acharem que o processo de contratação é burocrático, enquanto é muito ao contrário.

Qualquer dúvida sobre como iniciar o processo de visto de refugiado na Polícia Federal ou do processo de contratação, entre em contato com um de nossos consultores. Estamos disponíveis para sanar quaisquer dúvidas sobre como proceder.

contratação de refugiados, A contratação de refugiados por empresas brasileiras, Koetz Advocacia, Koetz Advocacia

Graduada em Relações Internacionais (ESPM) com MBA em Marketing Estratégico (Unisinos). Possui larga experiência em gerenciamento de contratos internacionais com governo brasileiro e empresas privadas.