Aposentadoria de servidor gera vacância se houver integralidade

Aposentadoria de servidor gera vacância se houver integralidade

20 de setembro de 2016 Complementação de Aposentadoria do Municipário Servidores Concursados e Filiados ao INSS 5

A inativação do servidor público só pode ocorrer quando há integralidade na aposentadoria.

 

Ingressar com o pedido de aposentadoria é algo que gera muitas dúvidas. Temos notado que, entre as principais delas, está a questão de continuar trabalhando ou deixar a atividade após receber o benefício. Principalmente no caso da aposentadoria de servidor público esse tema gera confusão. Por isso, vamos detalhar melhor por que a vacância só existe em casos de integralidade.

 

Homem aposentado sentado em frente a uma mesa de madeira escrevendo em uma folha de papel. Sobre a mesa está uma xícara de café e algumas frutas. Foto ilustra artigo sobre a vacância gerada pela integralidade na aposentadoria de servidor público.

 

A integralidade é direito na aposentadoria de servidor público estatutário mediante o cumprimento de algumas regras. Através da integralidade, os servidores que ingressaram no serviço público até 2003 possuem direito à aposentadoria com valor igual ao último salário recebido. Já os que entraram após esse período, possuem direito à aposentadoria com valor baseado na média dos 80% maiores salários, mas sem descontos de Fator Previdenciário ou teto do INSS. A integralidade é concedida automaticamente aos servidores de órgãos que possuem RPPS, conforme as regras do regime próprio.

 

Porém, em municípios onde não existe RPPS, a aposentadoria é feita através do Regime Geral, aplicando os descontos aos quais o servidor deveria estar imune. Neste caso, é preciso pedir a solicitação da complementação da aposentadoria. Dessa forma, o município precisa realizar pagamento adicional permitindo a integralidade do valor do benefício.

 

De que forma a integralidade influencia na vacância do cargo após a aposentadoria de servidor público?

Se você é funcionário público estatutário, se aposentou sem a integralidade e foi exonerado do cargo, saiba que você pode entrar com pedido de reintegração, retornando à atividade e recebendo os valores referentes aos meses em que esteve afastado. Isto porque a exoneração após a aposentadoria é indevida. O correto é ser mantido como inativo, desfrutando os benefícios de servidor e gerando, assim, a vacância de seu cargo.

 

Já com a integralidade, não é permitido que você mantenha sua função. Visto que você já está recebendo valor completo do que recebia em atividade, não é permitido acumular duas rendas por uma mesma atividade exercida.

 

Mas há como obter a aposentadoria de funcionário público e continuar trabalhando? Em municípios sem RPPS, sim. Neste caso, você poderá se aposentar pelo INSS (com os devidos descontos), e continuar trabalhando. Isso permitirá que você acumule o valor da aposentadoria + salário. Quando quiser se aposentar, basta pedir a complementação da aposentadoria. Aí sim você se afastará da atividade e receberá a integralidade do valor

 

Existe também a possibilidade de prestar um novo concurso ou trabalhar em um novo contrato. Aí sim é permitido receber o salário integral pelo primeiro vínculo e ser também remunerado a partir do novo contrato ou concurso.

 

Conclusão: Por que a aposentadoria de servidor público gera vacância do cargo apenas quando existe a integralidade?

Porque receber aposentadoria com integralidade + salário seria o mesmo que ser remunerado duas vezes pela mesma atividade e a Constituição não permite isso. Em casos de municípios sem RPPS, é possível receber aposentadoria com valor reduzido do INSS e somar com o salário, permanecendo na função. Neste caso, o servidor pode deixar a atividade posteriormente (quando desejar parar de trabalhar) e pedir a complementação.

 

Banner para tirar dúvidas previdenciárias. Clique nele e nos envie sua questão.

Banner das nossas regras de uso de conteúdo. Clique nele e saiba como ter permissão para utilizar nosso texto em seu site ou blog.

Professor e Advogado Especialista em Direito Previdenciário, Direito Tributário e Direito do Trabalho, com aprofundamento em Direitos Sociais Internacionais, atuante no Instituto Ibijus e na Verbo Jurídico.

Especialista em Marketing Jurídico Digital e Gestão de Escritórios de Advocacia. Fundador da Koetz Advocacia e CEO da ADVBOX.  Além de Articulista e Autor em vários sítes jurídicos e no Portal da Transformação Digital.

5 comentários

  1. Fernando disse:

    Sou funcionário público estadual concursado desde 2006. Se eu solicitar a vacância, para assumir um cargo público federal, carrego os direitos de salário pela média, e não pelo teto do INSS?

  2. Celio disse:

    No meu município, os funcionários são celetista e pelo regime geral (inss)

Os comentários estão fechados.