1/3 dos aposentados seguem trabalhando

1/3 dos aposentados seguem trabalhando

27 de setembro de 2018 Finanças na aposentadoria 0

Aposentadoria não é sinônimo de inutilidade, bem pelo contrário. Quem se aposenta pode continuar trabalhando (quer saber mais clique aqui), e assim ter uma renda extra (clique aqui para saber maispara investir em novos projetos ou mesmo para auxiliar a família.

4,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos trabalham

De acordo com dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL):

    • O Brasil possui cerca de 4,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos que ainda estão empregadas.
    • Mais de ⅓ da população que se aposenta segue trabalhando.

Os números sobem se analisarmos somente quem tem de 60 a 70 anos.

  • Entre eles 42,3%  se aposentam e permanecem no mercado de trabalho. Isso mesmo, quanto mais cedo a pessoa se aposenta, maior é a tendência de seguir trabalhando.

 

Clique aqui e baixe o guia prático sobre a Aposentadoria do Professor

Clique aqui e baixe o guia prático sobre a Aposentadoria Especial do Enfermeiro 

Clique aqui e baixe o guia prático para a Aposentadoria Especial do Dentista

Clique aqui e baixe o guia prático sobre a Aposentadoria Especial do Médico

 

Profissionais experientes conquistam espaço no mercado de trabalho

A pesquisa demonstra a realidade que os empresários já entenderam: profissionais experientes possuem, cautela, desenvoltura para falar com clientes e resolver as situações mais inusitadas. Por isso, cada vez aumenta o número de pessoas que se aposentam, mas decidem permanecer no mercado de trabalho e encontram o seu ‘lugar ao sol’.

Saiba mais, clique na imagem abaixo e veja como organizar as suas finanças na aposentadoria! 

46,9% dos aposentados seguem trabalhando para ter uma renda maior

Ainda de acordo com a pesquisa citada:

  • 46,9% dos aposentados seguem trabalhando para ter uma complementação de renda.
  • 23,2% trabalham para manter a mente ocupada,
  • 18% estão no mercado para se sentirem mais produtivos
  • 9% preferem trabalhar para ajudar os familiares.

 

Aposentado segue trabalhando e se sente mais feliz 

Valter Carlos Kinast se aposentou aos 50 anos e segue trabalhando com uma agenda mais flexível

 

Valter Carlos Kinast, 54 anos, viaja, pratica esportessai para se divertir,  visita as três filhas e ainda trabalha (veja mais clicando aqui). Há 4 anos a vida de Kinast mudou. Ele sempre atuou como vigilante, e por isso, tem o direito de se aposentar pela Aposentadoria Especial, aos 50 anos. O profissional decidiu utilizar o seu direito e se aposentar assim que atingiu o tempo de serviço necessário. E a sua vida mudou para melhor.

“Desde que me aposentei minha auto-estima melhorou, tenho mais tranquilidade. Agora posso sair sem a preocupação de não poder gastar”, afirma o profissional. 

Isso acontece porque Kinast decidiu continuar trabalhando após a aposentadoria. Ele trabalha algumas horas durante a noite, ainda como vigilante, e assim consegue ter uma boa renda extra para aproveitar o que a vida tem de melhor.

Desde que se aposentou Kinast já viajou para: Praia de Galinhas – Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e Frankfurt – Alemanha. E já está ansioso pela próxima viagem.

Outra novidade positiva foi em relação a qualidade de vida, Kinast voltou a se reunir com os amigos para jogar futebol e essa  é uma das suas alegrias! (Veja mais sobre a prática de esportes clicando aqui)

Durante os finais de semana, ele aproveita para ir a bailes e se divertir com os amigos

Permanecer trabalhando, após a aposentadoria, mas com uma agenda mais flexível, não só ajudou o profissional a ter uma renda extra como fez com que ele se sentisse mais feliz.

“É muito bom trabalhar, não sou de me acomodar. Sempre fui vigilante desde 1984, é o que gosto de fazer”, afirma.

Kinast é divorciado e tem três filhas que são o seu ‘orgulho’, a próxima aventura do vigilante vai ser ‘encarar’ a missão de se tornar avô. Uma de suas filhas está grávida, e este será o seu primeiro neto.

Apesar das filhas morarem em outra cidade, com a aposentadoria ficará mais fácil do avô acompanhar o crescimento do neto.

Professor e Advogado Especialista em Direito Previdenciário, Direito Tributário e Direito do Trabalho, com aprofundamento em Direitos Sociais Internacionais.

Especialista em Marketing Jurídico Digital e Gestão de Escritórios de Advocacia. Fundador da Koetz Advocacia e CEO da ADVBOX.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *