Direito Internacional Previdenciário na Pós Globalização

Capa do livro "Direito Internacional Previdenciário na Era Pós Globalização"

Livro aborda acordos previdenciários internacionais e mudanças necessárias para os dias atuais.

Como cada país tem suas próprias leis a respeito da seguridade social, o Direito Internacional acaba por ser bastante complexo. Se um brasileiro muda-se para a Espanha, trabalha lá por cinco anos e retorna ao país, como é feito o cálculo do tempo de contribuição? Contará para o INSS? E como funciona a aposentadoria de estrangeiros no Brasil?

 

Capa do livro "Direito Internacional Previdenciário na Era Pós Globalização"

“Direito Internacional Previdenciário na Era Pós Globalização” é o novo lançamento do advogado previdenciário Eduardo Koetz. O livro busca esclarecer a filiação previdenciária dos brasileiros que trabalham em outros países e dos estrangeiros que trabalham no Brasil.

 

Situações como estas exigem que o sistema previdenciário se adapte aos avanços econômicos, sociais e tecnológicos.

A globalização é um fenômeno crescente que rompe barreiras e reduz fronteiras e as viagens internacionais a trabalho têm se popularizado cada vez mais.

O fácil trânsito entre países vizinhos na Europa possibilitam que profissionais trabalhem curtos períodos de tempo em diferentes nações, que por sua vez possuem, cada uma, seu próprio sistema previdenciário. O Direito Internacional abrange este tipo de questão e, através de acordos entre países, tenta conciliar os diferentes períodos.

 

Como os acordos previdenciários ajudam o Direito Internacional?

Os acordos têm se tornado cada vez mais necessários. Anos atrás uma parcela muito pequena de profissionais precisavam transitar tanto entre diferentes países.

Atualmente, é bem mais comum que isto aconteça. Artistas, atletas, agentes de comércio internacional e muitos outros, chegam a visitar dez países em um único mês. Isso sem contar os profissionais que atuam online, residindo em um país e trabalhando para uma empresa em outro.

 

Hoje, em 2016, o Brasil possui 21 acordos previdenciários, sendo eles com:

Mercosul

Alemanha

Bélgica

Argentina

Bolívia

Canadá

Cabo Verde

Chile

Coréia do Sul

Equador

Espanha

França

Grécia

Luxemburgo

Itália

Japão

Quebec

Paraguai

Portugal

Uruguai

Estados Unidos

Estes acordos agilizam as questões previdenciárias entre países, pois já possui uma norma específica para cada um dos casos.

No livro “Direito Internacional Previdenciário na Era Pós Globalização“, Koetz ainda faz uma análise sucinta de todos os planos de benefícios dos países que o Brasil mantém acordo internacional, a fim de fazer um estudo de Direito Comparado, como meio do leitor poder identificar a melhor forma de se aposentar, ou pedir outro benefício.

 

Os acordos previdenciários também financiam o Direito Internacional porque possibilitam o reconhecimento mútuo das contribuições, aumentando a arrecadação previdenciária. Em outras palavras: Se um brasileiro trabalhar na Alemanha, suas contribuições serão integradas ao sistema jurídico brasileiro e ao alemão.

Se um alemão trabalhar no Brasil ou trabalhar na Alemanha com o objetivo de conquistar benefício no Brasil, suas contribuições também serão integradas ao sistema de ambos os países.

Já explicamos aqui no blog o que fazer quando se trabalhou parte da vida no Brasil e outra parte no exterior, como na Europa, por exemplo. Porém, o livro aborda esses temas de maneira mais aprofundada, analisando os diferentes acordos previdenciários internacionais que o Brasil possui.

 

O livro “Direito Internacional Previdenciário na Era Pós Globalização” já está disponível em formato digital na Simplíssimo.

 

Banner para clciar e fazer download do e-book Guia do Brasileiro Aposentado no Exterior

Banner das nossas regras de uso de conteúdo. Clique nele e saiba como ter permissão para utilizar nosso texto em seu site ou blog.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *