fbpx
Duas mãos repousadas sobre uma mesa de madeira. Uma delas segura uma tesoura. Sobre a mesa e entre as mãos, um recorte em papel forma a imagem de uma escada e, em cada degrau, diferentes fases da vida, começando por um bebê, passando para uma criança, depois um adulto e, por último, um idoso com uma bengala. O recorte representa as etapas da vida até a idade para se aposentar.

Planejar antes a aposentadoria evita erros

Deixar para planejar apenas quando tem idade para se aposentar pode causar problemas no benefício.

Quando somos jovens não damos importância para a aposentadoria mesmo que a Previdência ainda tenha outros benefícios para trabalhadores mais novos, como auxílio doença, salário maternidade, pensão por morte e aposentadoria por invalidez. Em geral, acabamos postergando esta preocupação para quando a idade para se aposentar se aproxima.

Assim é muito comum surgir diferentes problemas na concessão do benefício, especialmente no que diz respeito ao valor da aposentadoria.

1. Esperar idade para se aposentar para conseguir benefício “na sorte”

Um dos problemas é a concessão do benefício na “sorte”, ou seja, sem qualquer planejamento ou interferência racional para obter a melhor aposentadoria possível dentro do que a legislação permite. Contar com a sorte neste caso, é dar muita oportunidade para o azar, pois a legislação previdenciária é uma das mais complexas dentro do sistema jurídico brasileiro, causando diversas perdas para aquele que não é precavido.

O texto continua após o vídeo.

2. Contar com a sorte gera insegurança

Além disso, a idade para se aposentar pode parecer distante, mas essa incerteza acaba deixando a pessoa insegura e até mesmo estressada pela falta de perspectiva em relação à fase final da sua vida profissional. Muitas vezes a ideia da aposentadoria passa pela nossa cabeça, especialmente quando vemos notícias na televisão ou quando algum amigo está enfrentando dificuldades em obter um benefício. Por se tratar de um assunto complexo, acabamos deixando de lado. Porém, fica o eco das notícias e das dificuldades como reforço à insegurança de garantir um benefício de qualidade.

3. Contribuir com valor errado

É comum que as pessoas não tenham planejamento e acabem, por exemplo, contribuindo com o valor máximo do INSS,  quando nem sempre essa é a melhor opção. Pode ser que se esteja pagando mais do que deveria para a Previdência Social, que até é um gesto honrado, pois resulta em um sistema mais forte para toda sociedade, mas será que já não pagamos tributos suficientes para isso?

Sem planejar, muitos profissionais acabam acatando “AQUELA DICA” de um conhecido que sabe tudo, mas na verdade não sabe muito, e quando chega a idade para se aposentar acaba vendo a péssima atitude que tomou.

Portanto, tudo deve ser bem pensado, você precisa saber a a data exata na qual vai se aposentar, assim como precisa de uma estimativa de qual será o valor do benefício. Para isso existem inúmeras variáveis, sendo que só as mais comuns somam mais de oito. É preciso ainda o que garante uma boa aposentadoria é um recolhimento planejado para obter resultados efetivos quando precisar e não simplesmente contribuir no teto máximo nos últimos anos de atividade profissional.

Eduardo Koetz

Eduardo Koetz, advogado inscrito nas OAB/SC 42.934, OAB/RS 73.409, OAB/PR 72.951, OAB/SP 435.266, OAB/MG 204.531, sócio e fundador da Koetz Advocacia. Se formou em Direito na Universidade do Vale do Rio dos Sinos e realizou pós-graduação em Direi...

Saiba mais

Compartilhar:

Capa do livro
Anterior

Direito Internacional Previdenciário na Pós Globalização

Próximo

Retenção de 25% de IR para aposentados no exterior, como parar?

Mulher sorrindo e falando ao telefone. A imagem ilustra a publicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faremos mais que o possível para entregar os direitos aos nossos clientes, sempre.

Insira seus dados ao lado e entraremos em contato com você.