Aposentadoria para técnico de laboratório

Aposentadoria para técnico de laboratório

5 de maio de 2015 Aposentadoria Especial Outras Profissões 19
Laboratorista em laboratório em frente a microscópio. Conheça mais sobre a Aposentadoria Especial para Técnico de Laboratório.

No que diz respeito a Aposentadoria Especial para Técnico de Laboratório, o que muitos segurados não sabem é que a contagem do tempo de contribuição pode ter situações diferenciadas, em razão do tipo de atividade que os mesmos prestaram, entre as quais os Laboratoristas (Assistentes, técnicos ou graduados) se encontram com este direito.

 

Aposentadoria-Especial-para-Laboratorista-e-Téc-de-Laboratório-em-3-Julgamentos

 

 

Tais atividades são aquelas que expõem o trabalhador a condições nocivas à saúde ou à integridade física, consistindo esse diferencial na contagem do tempo de serviço em uma espécie de reparação financeira ao trabalhador sujeito a condições de trabalho inadequadas.

 

Durante muito tempo esteve em vigor dois decretos que reconheciam a especialidade de profissões e de exposição a agentes nocivos. Ocorre que, apesar de tais decretos só tiveram eficácia até a data de 28.04.1995, tem o segurado o que é chamado de direito adquirido, ou seja, basta o segurado comprovar que sua profissão se enquadrava nas listas previstas nos decretos, que o mesmo terá direito ao reconhecimento da especialidade da atividade e, consequentemente, direito a contagem diferenciada do tempo.

 

Assim, temos que até 28.04.1995 o trabalhador tem direito ao reconhecimento da especialidade da atividade, seja pelo tipo de profissão que exerceu, seja pela presença de agentes considerados nocivos à sua saúde, podendo, para comprovar que tem direito a essa contagem diferenciada do tempo apresentar qualquer tipo de prova (carteira de trabalho, anotação em livro de empregados, testemunhal).

 

Já partir de 29.04.1995, é necessário provar a real exposição a agentes nocivos por qualquer meio de prova até 05.03.1997 e, a partir de então, por meio de formulário embasado em laudo técnico, ou por meio de perícia técnica.

 

Como exemplo de profissões que permitiam o reconhecimento da especialidade e enquadramento por profissão até 28.04.1995, podemos citar a atividade do laboratorista.

 

Como enquadramento por tipo de profissão que o trabalhador exerceu, o que conforme dito anteriormente é possível até 28.04.1995,  a atividade dos químicos-industriais, químicos-toxicologistas, técnicos em laboratórios de análises, técnicos em laboratórios químicos e dos técnicos em radioatividade é tida como especial, podendo os mesmos serem aposentados após 25 anos de trabalho.

 

Temos também que as operações executadas com derivados tóxicos do carbono e outros tóxicos é atividade considerada insalubre, igualmente cabendo aposentadoria após 25 anos de trabalho na atividade.

 

Ocorre que, caso não haja a exposição durante os 25 anos, é possível a conversão do período efetivamente laborado sob condições nocivas à saúde do trabalhador, sendo este período contado de forma diferenciada.

 

Para estes casos, os Tribunais vêm entendendo que é possível a aplicação do fator de conversão de tempo de atividade sob condições especiais em tempo de atividade comum, fator este que para o caso dos laboratoristas é de 1,4.

 

Vejamos um exemplo:

 

Um laboratorista que tenha trabalhado entre os anos de 1981 a 1991 terá direito a converter esses 10 anos pelo fator 1,4, fazendo com que tenha, então, 14 anos de trabalho (convertendo o tempo especial em comum).

 

Vejamos agora, então, o que os Tribunais vêm entendendo:

 

PREVIDENCIÁRIO. ATIVIDADE ESPECIAL. CATEGORIA PROFISSIONAL. LABORATORISTA. APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO. CONCESSÃO.

  1. Não havendo condenação em valor certo, deve-se conhecer do reexame necessário. Aplicação da súmula 490/STJ.
  2. O enquadramento de atividade especial é feito conforme a legislação vigente ao tempo da prestação do serviço.
  3. Até 28/04/1995, há o enquadramento de atividade especial em face do mero exercício de categoria profissional para a qual os Decretos 53.831/64 e 83.080/79 presumiam insalubridade, penosidade ou periculosidade.

(APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5006532-95.2011.404.7201/SC – Data da Decisão: 27/11/2013          Orgão Julgador: SEXTA TURMA – Fonte         D.E. 04/12/2013 – Relatora: LUCIANE MERLIN CLÈVE KRAVETZ)

 

PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO. ATIVIDADE ESPECIAL. LABORATORISTA.

  1. Não havendo condenação em valor certo, deve-se conhecer do reexame necessário. Aplicação da súmula 490/STJ.
  2. O enquadramento de atividade especial é feito conforme a legislação em vigor ao tempo da prestação do serviço. Precedentes.
  3. É possível a conversão de tempo especial em comum tanto em relação ao período anterior à entrada em vigor da Lei 6.887/80 como no que toca ao período posterior a 28/05/98.
  4. Há possibilidade de comprovação da exposição a agentes nocivos por laudo técnico que não seja contemporâneo à prestação do serviço.
  5. O erro material, nos termos do art. 463, I, do CPC, pode ser sanado de ofício, ainda que, por se tratar de tempo de serviço, modifique o resultado do julgado com a concessão de benefício previdenciário ao recorrido.

(Classe: AC – APELAÇÃO CIVEL Processo: 5003255-26.2010.404.7001          UF: PR – Data da Decisão: 22/05/2013 – Orgão Julgador: SEXTA TURMA – Fonte D.E. 24/05/2013 – Relatora: LUCIANE MERLIN CLÈVE KRAVETZ

 

 

PROCESSUAL CIVIL E PREVIDENCIÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA. DIREITO LÍQUIDO E CERTO. AUTORIDADE COATORA. CABIMENTO.

Aposentadoria Especial para Técnico de Laboratório

  1. Presente o direito líquido e certo, que se traduz pela certeza dos fatos, comprovados documentalmente, cabível é o manejo do Mandado de Segurança.
  2. Autoridade coatora é aquela que pratica o ato ilegal ou com abuso de poder.
  3. Inexiste limite mínimo de idade para a conversão do tempo de serviço especial em tempo de serviço comum, consoante o Parecer PRC-223/95, da Consultoria Jurídica do Ministério da Previdência e Assistência Social.
  4. A atividade de laboratorista de asfalto enquadra-se no código 1.2.11 do DEC-53831/64, devendo ser considerada atividade especial.
  5. Quanto à cobrança dos valores, incabível a utilização da estreita via do mandamus, visto que ” o mandado de segurança não é substitutivo de ação de cobrança “. ( SUM-269, STF ).
  6. Apelação improvida. Remessa Oficial parcialmente provida.

(Classe: AMS – APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA – Processo: 94.04.37265-0        UF: PR – Data da Decisão: 10/02/1998 – Orgão Julgador: SEXTA TURMA – Fonte DJ 04/03/1998 PÁGINA: 640 – Relator   NYLSON PAIM DE ABREU)

 

Ainda, é importante dizer que os equipamentos de proteção individual, ainda que sejam fornecidos e utilizados, não são capazes de evitar a agressão dos agentes biológicos presentes em todo o ambiente de trabalho, uma vez que não há como executar um controle absoluto, capaz de elidir o risco proveniente do exercício da atividade do laboratorista.

 

Assim, temos que comprovando a atividade de laboratorista, terá o segurado direito ao reconhecimento da especialidade da função até 28.04.1995 (simplesmente pelo fato da profissão estar na lista de atividades que são consideradas especiais), sendo necessária, após essa data (a partir de 29.04.1995) a comprovação por qualquer meio de prova (carteira de trabalho, anotação em livro de empregados, testemunhas) e a partir de 05-03-1997 através de formulário embasado em laudo técnico, ou por meio de perícia técnica.

 

 

 

13

 

Botão para download de E-book

Banner das nossas regras de uso de conteúdo. Clique nele e saiba como ter permissão para utilizar nosso texto em seu site ou blog.

Professor e Advogado Especialista em Direito Previdenciário, Direito Tributário e Direito do Trabalho, com aprofundamento em Direitos Sociais Internacionais, atuante no Instituto Ibijus e na Verbo Jurídico.

Especialista em Marketing Jurídico Digital e Gestão de Escritórios de Advocacia. Fundador da Koetz Advocacia e CEO da ADVBOX.  Além de Articulista e Autor em vários sítes jurídicos e no Portal da Transformação Digital.

19 comentários

  1. Gabriel batista disse:

    Olá trabalho como analista de laboratório químico e não recebo insalubridade a empresa diz que por ela fornecer jaleco não existe essa necessidade, trabalho com agentes cancerígenos( derivado do alumínio) entre outros.

    O que posso fazer?

  2. Antonio Miranda disse:

    Tenho 52 anos de idade e 32,5 de contribuição. De 1985 a 1992 tenho registro e PPP de analista quimico em laboratorios. Tambem consta no PPP o periodo 1/06/87 a 30/6/89 ruido de 82 db. Tenho direito adquirido como tempo especial nesse periodo? Apos a reforma da previdencia esses direitos prevalecerão? Muito obrigado.

    • Olá, Antonio.
      A reforma ainda não foi aprovada, provavelmente será alterado o texto até a promulgação dela. Só dá para ter certeza de como vai afetar, após a aprovação.
      Abraços!

  3. Miriam disse:

    Bom dia? Sou técnica de laboratório mais ou menos uns 17 anos, eu tenho direito a aposentadoria com 25 anos de trabalho. Obrigada

  4. jair osvaldo tack disse:

    trabalho a 28 anos em laboratorio de protese dentaria com contribuiçao de inss tenho direito a aposentadoria especial

  5. jair osvaldo tack disse:

    trabalho a 28 anos com contribuiçao ao inss em laboratorio de protese dentaria tenho direito a aposentadoria especial

  6. IZAAC LIMA disse:

    Sou oficial militar do EB, servi na arma saúde durante 8 anos como analista de laboratorio em hospital, em janeiro de 2001 passei em concurso público e continuo exercendo a mesma atividade em Hospital Público.
    Somando o tempo de serviço em janeiro de 2017 completar-se-á 25 anos no total.
    Porém, no primeiro contracheque não tem discriminado a insalubridade, e no último eu recebo 10% sobre o vencimento.
    Neste caso minha aposentadoria é especial.? Preciso comprovar junto ao INSS O TEMPO DE INSALUBRIDADE NO EXERCITO?

  7. Olá, Wilhem.

    Se você comprovar que trabalhou com exposição a agentes nocivos durante 25 anos, sim. Estamos compartilhando com você uma lista de provas que ajudam na comprovação da atividade, para acessá-la, clique aqui.

    Abraços!

  8. Antonio disse:

    Atuei como químico em usina de açúcar e álcool já 18 anos …tenho direito aposentadoria especial

  9. Lúcia disse:

    Sou técnica de enfermagem . Tenho 27 anos de inss e 55 de idade . Tenho direito a aposentadoria especial ? Ou quanto tempo faltam para eu me aposentar ?

  10. LUIZ GOMES disse:

    Gostaria de saber é se tenho direito à aposentadoria especial como técnico de laboratório de análises clínicas, independente de idade. Sendo que vou me aposentar pelo Regime Jurídico Único.

    • Olá, Luiz.

      Para saber se você possui direito a aposentadoria especial é necessário fazer uma análise específica do seu caso. Você pode clicar aqui e responder o formulário para que possamos fazer. Depois de feita, enviaremos via e-mail o resultado. A análise é sem compromisso, abraços!

  11. Priscila disse:

    Oi, me chamo Priscila e trabalho num laboratório de ótica, na carteira estou como auxiliar de laboratório, mas desempenho todas as atividades do técnico e uma amiga que cursa segurança do trabalho, me alertou sobre a necessidade de exames periódicos e epis nos quais não fazemos uso. Tentei achar os produtos e possíveis danos a minha saúde, porém não achei nada e sobre receber insalubridade.
    E não achei os riscos que possivelmente estou exposto, aí queria saber se é válido as informações que ela deu…como ter que fazer exames, ficar atento a necessidade de uso de epis e se a algum risco a minha saúde. Por que sou leiga nesses assuntos e preciso da ajuda de quem entende. Pode me ajudar nisso?

    • Olá, Priscila.

      Quem analisa a exposição ao agentes nocivos a saúde é o engenheiro do trabalho, que confeccionará o laudo de insalubridade PPP e LTCAT, apenas estes laudos comprovaram a sua exposição aos agentes nocivos a saúde e é obrigatoriedade do seu empregador lhe fornecer estes laudos.

      Abraços!

  12. leandro disse:

    sou Laboratorista de solos e asfalto tenho direito aposentadoria especial.

Os comentários estão fechados.