Como fazer um ‘pé de meia’ com a renda extra da aposentadoria

Como fazer um ‘pé de meia’ com a renda extra da aposentadoria

30 de agosto de 2018 Sem categoria 0

O Brasil é tradicionalmente conhecido como um dos países que pratica as maiores taxas de juros no mundo. Isso é ruim para os devedores de bancos, e deveria ser bom para quem tem dinheiro para investir. Esta última parte não é necessariamente verdade.

Se você tem alguns recursos financeiros e se interessa em identificar quais as melhores alternativas de investimento, é interessante observar o que segue.

Poupança e Fundos de Renda Fixa

Deixar o dinheiro na poupança definitivamente é mal negócio. Há outras aplicações igualmente seguras e com liquidez (ou seja, que você pode sacar quando precisar) e que geram um rendimento um pouco melhor. É o caso dos fundos de renda fixa.

É bem verdade que com a redução da Selic, que representa os juros básicos da economia, hoje não temos no país uma aplicação financeira de baixo risco e que ofereça rendimentos altos.

Dois anos atrás, a Selic estava na faixa dos 14%. Hoje está na faixa dos 6%. O resultado é que a renda fixa significa rendimentos na ordem de 8% a 9% ao ano. Se você considerar os 6% da poupança, ainda assim é bem melhor.

E as aplicações em renda fixa, até o limite de 250 mil reais por CPF, contam com a proteção do FGC, o Fundo Garantidor de Crédito. Este é um fundo formado pelas principais instituições financeiras do país, destinado a garantir a sua aplicação caso o banco  em que você investiu venha a ter dificuldades. Saiba mais sobre o FGC.

Veja este exemplo: se aos 55 anos você investir R$120 mil em um fundo de renda fixa,  aos 60 anos você já deve ter guardado no banco um valor próximo a R$175 mil. Esse dinheiro vai render cerca de R$1200 ao mês. Ou seja, você poderá ter R$1200 a sua disposição para ‘engordar’ a sua renda fixa mensal sem precisar mexer no seu capital!

Audaciosos preferem os Fundos de Ações

Se você tem disposição para correr riscos moderados, e se não tem necessidade de dispor do dinheiro no curto prazo (menos de 3 anos) vale a pena dar uma olhada nos fundos de ações. Estes podem trazer rendimentos mais atraentes, da ordem de 14% a 16% ao ano. Porém podem oscilar e eventualmente apresentar, no curto prazo, rendimentos menores do que a renda fixa.

Não invista em imóveis!

 Por fim, a terceira dica é no sentido de evitar – isso mesmo, evitar – uma opção que em outros momentos até já foi bem interessante, mas hoje já não é mais tanto assim. Trata-se do investimento em imóveis. Em termos de rentabilidade, atualmente um aluguel tem ficado em torno de 0,5% do valor do imóvel. Ou seja, a rentabilidade é próxima à da poupança. E você não conta com liquidez, pois vender um imóvel pelo valor de mercado pode levar até mais de um ano!

Em suma: se você é mais conservador, um bom caminho é a renda fixa. Se você está disposto a correr um pouco mais de risco, e não precisa do dinheiro no curto prazo, vale a pena se informar sobre fundos de ações. E a menos que você tenha encontrado a casa dos seus sonhos, não considere investir em imóveis como uma opção rentável.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *